Minha foto
O SENTINELA - Nos adicione em https://www.facebook.com/sentinela.brasil

Seguidores

O projeto Excelências traz informações sobre todos os parlamentares em exercício nas Casas legislativas das esferas federal e estadual, e mais os membros das Câmaras Municipais das capitais brasileiras, num total de 2368 políticos. Os dados são extraídos de fontes públicas (as próprias Casas legislativas, o Tribunal Superior Eleitoral, tribunais estaduais e superiores, tribunais de contas e outras) e de outros projetos mantidos pela Transparência Brasil, como o (financiamento eleitoral) e o (noticiário sobre corrupção).

O projeto disponibiliza espaço para que os políticos retratados apresentem argumentos ou justificativas referentes a informações divulgados no projeto, como noticiário que os envolva, ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas, informações patrimoniais e outras. Para providenciar o registro de algum eventual comentário, solicita-se que o político entre em contacto com a Transparência Brasil.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

MP Militar vai investigar clube VIP no Forte de Copacabana



Procuradora vai apurar se há irregularidades em empreendimento na Zona Sul


Para poucos. A praia do Forte de Copacabana que foi privatizada para implantação do empreendimento Aqueloo Beach Club: por um contrato de três meses prorrogáveis por mais três, o Exército vai receber um total de R$ 228 mil Domingos Peixoto / O Globo


Antônio Werneck
RIO — Polêmico desde o início do verão, o contrato sem licitação que privatizou um pequeno trecho de praia dentro do Forte de Copacabana para a implantação do projeto Aqueloo Beach Club — empreendimento comercial privado que tem reunido ao sol a elite carioca ao som de música eletrônica — acaba de virar alvo do Ministério Público Militar. A iniciativa é da procuradora Maria de Lourdes Sanson, que vai pedir hoje ao Exército informações detalhadas do contrato assinado entre os militares e os responsáveis pelo negócio, para apurar se ocorreram ilegalidades.
O Exército garantiu ontem que não há irregularidades na cessão do espaço público e que seguiu rigorosamente a lei: o decreto 3.725, de 2001, que, combinado com normas internas da força, dispensa o processo de licitação. Informou também que o contrato foi assinado em 22 de outubro de 2012, com validade de três meses, a partir de 3 de dezembro — acaba, portanto, no próximo domingo, 3 de março, mas está prevista uma prorrogação de mais três meses. Pelo negócio, o Exército vai receber R$ 228 mil, dinheiro que será aplicado na manutenção do forte.
Presidente da Comissão de Direito Administrativo da OAB do Rio, o advogado Bruno Navega estranhou a cessão do terreno e, mesmo falando em tese, já que não conhece detalhes do contrato, encontrou indícios de possíveis irregularidades:
— Há duas questões que saltam aos olhos e causam estranheza. Primeiro, deveria, a rigor, haver licitação, para que eventuais interessados pudessem apresentar propostas. A segunda questão é mais complexa: na minha opinião, está havendo uma espécie de privatização do espaço público em prol da iniciativa privada. A praia é um bem de todos.
Navega afirma que até o Exército tem que seguir a Lei de Licitação e a Constituição.
— A Constituição brasileira estabelece que, no caso de qualquer bem público ter o espaço explorado economicamente, é preciso haver uma licitação. O TCU (Tribunal de Contas da União) tem afirmado isso em suas decisões — afirmou Bruno.
O constitucionalista e desembargador aposentado Jorge Fernando Loretti concorda. Segundo ele, qualquer terreno de marinha (faixa de orla) é de uso de toda a população:
— Não conheço detalhes do contrato e suas bases, mas a praia é constitucionalmente de utilização social de todos. É para ser usada coletivamente. Não pode ser utilizada particularmente por ninguém.


Empresário nega favorecimento
Longe da polêmica, o empresário responsável pelo negócio, Daniel Barcinski, disse que o investimento está tendo retorno e que ele já tem convites para implantar projetos semelhantes em Brasília e Salvador. Barcinski afirma ter aplicado um total de R$ 2,5 milhões no empreendimento. Sobre a polêmica e a acusação de ter privatizado uma praia, retrucou:
— Eu não entendo: morei em Copacabana e, pelo que sei, a praia do Forte de Copacabana nunca foi aberta ao público, nunca pôde ser frequentada.
O empresário é o mesmo que instalou uma roda gigante também no Forte de Copacabana em 2009, sem licitação, durante a campanha para trazer os Jogos Olímpicos para o Rio. Na época, diz ele, o Exército também foi pago pela utilização do lugar. Pedro Minc, sobrinho do ex-ministro do Meio Ambiente e secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, é promoter do evento.
— Ele é meu amigo, cuida da parte promocional do projeto, mas não é sócio, nem recebe por isso. Logicamente, frequenta o local e convida quem quiser. Ele faz tudo isso por amizade — afirmou o empresário.
Responsável pela concessão do alvará de funcionamento do empreendimento, a Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop) disse que Barcinski apresentou todos os documentos exigidos, como um termo do uso do local, fornecido pelo Exército, e autorização da Secretaria municipal de Meio Ambiente (o forte fica numa área de proteção ambiental). A Seop confirmou que os responsáveis apresentaram autorização do Instituto Estadual do Ambiente, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e dos bombeiros.
O Globo

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Fuzil roubado de Base da Aeronáutica é encontrado em Manaus




Denúncia anônima fez com que armamento fosse localizado. Uma semana após o crime, nenhuma pessoa foi presa pelo roubo.

Ana Graziela Maia
Do G1 AM

O fuzil roubado da Base da Aeronáutica, localizada no bairro Colônia Oliveira Machado, Zona Centro-Sul de Manaus, foi encontrado abandonado na noite desta segunda-feira (25). A informação da devolução foi confirmada pelo comandante do programa Ronda no Bairro, coronel Amadeu Soares, e o setor de comunicação da Aeronáutica.
Em nota oficial, a Força Aérea Brasileira informou que tanto o fuzil quanto carregador foram encontrados em uma àrea próxima à Base Aérea de Manaus após denúncia anônima. O roubo aconteceu na noite de 19 de fevereiro e equipes da Aeronáutica, a Polícia Federal e as Polícias Militar e Civil do Estado do Amazonas trabalham na investigação do caso.
De acordo com o cabo Aguinaldo, da 7ª Cicom, o crime aconteceu após o bando conseguir render o sentinela da Base Aérea. "Os bandidos estavam fardados com o uniforme do Exército e encapuzados. Eles conseguiram amarrar o militar e realizaram o assalto". Seis dias após o crime, nenhuma pessoa foi presa e ainda não há suspeitos do crime. A FAB informou que um Inquérito Policial Militar (IPM) continua em andamento para apurar as responsabilidades.

Construção ilegal: MPF quer que FAB remova muro de quartel em Salvador


MPF pede remoção de muro em área da Aeronáutica, em Salvador
Segundo órgão, construção foi feita sem alvará da Sucom.

Parte da área foi doada ao Ministério da Aeronáutica há 42 anos, diz MPF.

.



O Ministério Público Federal (MPF) solicitou a remoção de um muro situado entre a Avenida Oceânica e a Rua do Cristo, no bairro de Ondina, em Salvador. De acordo com o órgão, a construção foi realizada pela Aeronáutica sem o alvará da Superintendência de Controle e Ordenamento do Solo (Sucom), tornando a área privatizada, de forma ilegal.
Parte do loteamento Jardim Oceania, onde fica a construção, foi doado ao Ministério da Aeronáutica há 42 anos, no entanto, a doação não incluiu as ruas de acesso às quadras ou a área verde marginal à Avenida Oceânica, segundo o Ministério.
O MPF pede que a Justiça determine à União a remoção do muro, cancelas e demais obstáculos existentes do local. Além disso, o Ministério solicita também que o Comando da Aeronáutica deixe de praticar qualquer ato que resulte em nova ocupação irregular no trecho, seja a construção de muros, colocação de cercas, tapumes, cancelas ou obstáculos à circulação de pessoas e automóveis.
Em nota, a Aeronáutica informou que até as 11h desta terça-feira não foi notificada sobre a ação do MPF. Através da assessoria, a Sucom informou que o processo referente à construção do muro data do ano de 2007. A Superitendência também vai enviar nota à imprensa sobre o caso
G1 BA

Chega ao Rio fragata francesa que pode integrar Marinha do Brasil




Chega a fragata francesa, candidata à frota da Marinha do Brasil


Chega ao Porto do Rio [...] hoje(27)a Fragata multimissão (FREMM) francesa "Aquitaine", um dos navios tecnologicamente mais avançados do mundo. Com 104 tripulantes, a embarcação oferece sistemas avançados de defesa e ataque. A fragata é a peça chave da proposta francesa para o projeto Prosuper brasileiro, que prevê competição internacional para modernização da frota de superfície da Marinha do Brasil.
Para dissuadir os potenciais adversários, vejam só o que a Aquitaine carrega:
- Oito mísseis antinavios Exocet MM4;
- Dezesseis mísseis antiaéreos Aster (32 para a versão FREDA);
- Dezesseis mísseis de cruzeiro Naval (versão Aquitaine);
- Um canhão de 76 mm (127 mm opcionais);
- Dois canhões operados à distância de 20mm;
- Quatro metralhadoras de 12.7 mm;
- Dezenove torpedos MU90;
- Um helicóptero de combate NH90.
Ancelmo Góis (O Globo)/montedo.com

Soldado do Exército é preso com computador roubado no MS


Soldado do Exército é pego com computador furtado da casa de guarda municipal


Campo Grande - Um soldado do Exército foi preso na noite desta segunda-feira, no bairro Santa Luzia, com um computador furtado da casa de uma guarda municipal. Segundo a Polícia, Carlos Vinícius Andrade Morikawa, 24 anos, estava carregando o computador em uma motocicleta quando foi abordado.
A agente da Guarda Municipal chegou em casa por volta das 20h e viu que a porta dos fundos estava arrombada e que da casa tinham sido levados o computador, modem, roupas, mochila e secador de cabelo.
A mulher chamou a Guarda Municipal que fez rondas pela região e encontrou o soldado do Exército. Ela reconheceu o computador como sendo seu e os guardas perguntaram então onde ele conseguiu o objeto.
Ele respondeu que tinha comprado de uma pessoa chamada Eduardo, que não foi localizado, mas já está identificado na Polícia Civil.
Carlos Vinícius foi preso por receptação e encaminhado à Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro.


Paula Maciulevicius
CampoGrandeNews

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

STM mantém condenação de sargento do Exército que ameaçou de morte o comandante e sua filha


PERSONALIDADE VIOLENTA

Militar que ameaçou de morte superior é condenado
O Superior Tribunal Militar manteve a condenação de um sargento do Exército a dois meses e 20 dias de prisão por ameaçar dois militares, um deles o major comandante da unidade em que servia, e também a sua filha. O militar já foi condenado na Justiça Militar por desobediência e responde atualmente a um terceiro processo também por desobediência e violência contra militar em serviço. O sargento não cumprirá a pena pelo crime de ameaça por ter sido indultado pelo Estado.
A prisão preventiva do réu foi decretada pelo juiz-auditor da Auditoria Militar de Bagé no Rio Grande do Sul, depois de a esposa do acusado ter relatado que temia pela integridade do marido e de outros militares, uma vez que seu companheiro andava muito exaltado enquanto manuseava a arma que guardava em casa.
No julgamento na primeira instância, a Auditoria Militar de Bagé não acatou o pedido da defesa de considerar a conduta uma transgressão disciplinar e condenou o réu a dois meses e vinte dias de prisão. No recurso ao STM, a defesa pediu a reforma da sentença e argumentou que a fundamentação da decisão está em desacordo com a jurisprudência, pois não há prova suficiente para manter a condenação, já que não teria havido um crime. Isso porque, segundo a defesa, os ofendidos estavam ausentes e, portanto, não poderiam ter sido intimidados. Ainda segundo a defesa, para a ameaça ser caracterizada, é preciso que o objetivo se concretize ou venha a restringir a liberdade pessoal do intimidado.
Mas segundo o relator do caso, ministro Marcus Vinicius Oliveira dos Santos, o major, comandante da unidade, se retirou da cidade por conta da intimidação. O relator ressaltou ainda que, ao contrário do que afirma a defesa, não importa se o autor vai cumprir ou não a ameaça, basta causar algum temor à vítima de que a ameaça possa ser consumada.

Barrados na solenidade
O caso aconteceu na 2ª Bateria de Artilharia Antiaérea (BIA) em janeiro de 2011. Segundo o Ministério Público Militar (MPM), o acusado iniciou uma confusão durante solenidade de passagem de posto com militares que fazia a coordenação e a segurança do evento. Ao chegar à entrada da unidade com a mulher e os filhos, o militar foi informado de que apenas ele poderia entrar, pois o comandante não havia autorizado a entrada de seus familiares.
Isso teria acontecido porque, segundo a denúncia, o major comandante da 2ª BIA havia sido informado anteriormente de que alguns familiares do réu iriam protestar durante a solenidade, em represália ao fato de que o acusado estava respondendo a uma sindicância e a um Inquérito Policial Militar.
Segundo o MPM, um sargento que registrava a cerimônia militar filmou a confusão com o acusado e foi ameaçado por ele. O réu teria exigido que o militar em serviço desligasse a câmera, tentando agredi-lo, o que foi impedido pelos presentes. Algumas horas depois, o réu voltou à unidade para pegar os seus pertences, ocasião em que o acusado relatou aos militares que o escoltaram que iria preparar uma emboscada na rodovia para matar o comandante e, se não conseguisse pegá-lo, iria matar a filha dele.
O Plenário seguiu o voto do relator considerando que o dolo foi comprovado. “A personalidade do acusado era voltada para a violência, o que é comprovado pelo fato de este ser o segundo de três processos contra o réu a ser analisado por esta Justiça”, afirmou o ministro Marcus Vinicius. Com informações da Assessoria de Imprensa do STM.
Conjur/montedo.com

PJM Brasília requer a condenação de 20 militares por esquema para pagamento indevido de benefícios


O 1º Ofício da Procuradoria de Justiça Militar em Brasília apresentou Alegações Escritas requerendo a condenação de 20 militares envolvidos em irregularidades no pagamento de auxílio-transporte, de ajuda de custo, de férias, entre outros, na Base Aérea de Brasília, entre os anos de 2005 e 2007. Os militares respondem pela prática do crime de estelionato, art. 251 do Código Penal Militar.
Como descreve a promotora de Justiça Militar que assina o documento encaminhado ao Conselho Permanente de Justiça para a Aeronáutica: “... um esquema fraudulento foi montado por integrantes da Seção de Finanças (Tesouraria) e da Seção de Pessoal da BABR, com o intuito de burlar a administração militar, obtendo vantagens pecuniárias ilícitas a fim de beneficiarem outros militares da Base Aérea e a si próprios”.

Os integrantes das duas Seções (Tesouraria e Pessoal) criavam lançamentos indevidos referentes a auxílio-transporte, ajuda de custo, férias para pagamento pela Tesouraria. Todas essas ocorrências deveriam ser revisadas pela Comissão de Cotejamento da Base, que tinha a função de verificar as matérias financeiras. Caso identificasse algum erro, a Comissão emitiria um relatório solicitando a correção do pagamento pela Tesouraria.
Durante as investigações, verificou-se que a conferência feita pela Comissão de Cotejamento era precária e vários pagamentos indevidos não foram identificados. Considerando essa fragilidade na conferência, os integrantes da Tesouraria e da Seção de Pessoal montaram o esquema fraudulento.
Nos casos em que a Comissão percebesse a irregularidade, o militar seria chamado a restituir o pagamento indevido e o ocorrido era tratado como “erro administrativo”. Caso contrário, o crédito seria efetuado e a fraude, concretizada.
Para o sargento identificado como o principal mentor do esquema, o MPM requer a condenação como incurso no crime de estelionato continuado agravado pelo fato de ser o organizador do esquema e por ter sido praticado contra a administração militar. Em relação aos outros 19 militares, alguns deles articuladores do esquema, abordando militares, outros participando como recebedores dos pagamentos, o MPM requereu também a condenação pelo crime de estelionato agravado por ter sido praticado contra a administração militar.  MPM

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Com catorze mulheres, calouros do ITA encaram treinamento militar


Na recepção, calouros do ITA encaram treinamento militar; grupo tem 14 mulheres
Elaine Rodrigues

Dentre os 124 alunos aprovados no vestibular do ITA que fazem treinamento militar, 14 são mulheres

Dentre os 124 alunos aprovados no vestibular do ITA que fazem treinamento militar, 14 são mulheres
Os calouros de 2013 do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) concluíram na manhã de sexta-feira (22) seu primeiro treinamento militar. Tradição no instituto, o curso faz parte das boas-vindas, e leva aos estudantes noções de sobrevivência na selva, com direito à acampamento e batismo militar.
O treinamento obrigatório é realizado anualmente pelo CPOR (Centro Preparatório de Oficiais da Reserva) do DCTA (Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial), em São José dos Campos, interior de São Paulo, onde também fica o campus do ITA.
Esse ano, 124 alunos, dentre eles, 14 mulheres, ingressaram nos cursos do ITA. Desde o dia 20 de janeiro, os alunos participam de aulas práticas e teóricas de introdução ao serviço militar, onde receberam instruções sobre ordem unida, posturas, regimentos entre outra regras.
Nesta manhã, os calouros concluíram a primeira etapa do treinamento, após retornar de um acampamento de instrução de sobrevivência na selva, com duração de três dias. Em seguida, eles realizaram exercícios com um antigo armamento sem munição, conhecido com mosquetão, usado na Segunda Guerra Mundial.
"Aprendi muito nesses dias. O acampamento foi importante para fortalecer a minha opção por me tornar um militar" disse o calouro Daniel Elias Dopazo, 20.

Disciplina, dedicação e apoio da família
são receita de sucesso do primeiro lugar do ITA

O Capitão Michel Marconi Ramos, responsável pelo treinamento dos futuros engenheiros, explica que "ao final do segundo ano de faculdade, esses jovens poderão optar por se tornar ou não oficiais da Aeronáutica.


Batismo de honra
As atividades do dia terminaram com o chamado batismo militar, um banho dado por um caminhão de bombeiros. Os alunos comemoraram a etapa superada.
"É uma honra receber o batismo. A gente se sente muito feliz por estar aqui. É como se sentir vivo novamente, depois de anos enterrado em estudos para entrar aqui no ITA" contou Daniell Dopazo, que inicia na próxima semana o curso de engenharia eletrônica.


Formação
Até o segundo ano, todos os alunos recebem a formação necessária para conviver neste ambiente militar, com lições sobre disciplina e ética entre outros procedimentos militares, que enriquecerá, com certeza, a experiencia de cada um" destacou o capitão.
Uma equipe especializada participou do treinamento dos calouros do ITA, como oficiais da AFA (Academia da Força Aérea), e de grupos especializados da Aeronáutica como o Salvaero, entre outros. "Estes alunos serão a turma mais bem formada que já tivemos. Só nas últimas semanas, tiveram contato com o que há de mais moderno em acampamentos militares para sobrevivência na selva", destaca o capitão Marconi.
Na próxima segunda (25), o Ministro da Defesa Celso Amorin, realizará a aula magna de 2013, marcando o inicio do ano letivo no Instituto Técnico Aeroespacial.
UOL(SJC-SP)/montedo.com

Militar deve indenizar Estado caso não cumpra cinco anos de serviço após curso de formação


A 4.ª Turma Suplementar do TRF da 1.ª Região deu provimento à apelação da União Federal, que solicitou ressarcimento de gastos realizados com militar que pediu demissão, após realizar curso superior em instituição pública, antes de completar cinco anos de oficialato.
Militar deve indenizar Estado caso não cumpra cinco anos de serviço após curso de formaçãoA ação foi iniciada pela União, solicitando o ressarcimento dos valores gastos no Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) com o réu, no período de fevereiro de 1996 a dezembro de 1998, já vez que o militar solicitou sua demissão em julho de 2000.
O juízo da 21.ª Vara da Seção Judiciária do Estado de Minas Gerais julgou parcialmente procedente o pedido para condenar o réu a ressarcir à União o valor referente aos gastos com estudos para sua preparação e formação, excluindo os gastos previstos nos direitos dos militares, dispostos no art. 50 do Estatuto dos Militares (Lei 6.880/80). Tanto o réu quanto a União discordaram da sentença.

Argumentos do militar – em apelação, o cidadão alega que o ITA é uma instituição pública de ensino que, embora seja vinculada à Aeronáutica, é aberta a civis e a militares e que a obrigação dos alunos optantes pela carreira militar de indenizar as despesas feitas pela União com sua formação universitária quando demitidos é injusta, desigual e inconstitucional, pois quem não opta pela carreira militar não tem nenhum ônus. Assim, requereu a compensação e dedução do tempo trabalhado após a conclusão do curso.
Argumentos da União Federal – o ente público, em seu recurso, assevera que a sentença de primeiro grau ofendeu a garantia constitucional do devido processo legal, atentando contra o princípio da legalidade, uma vez que o reembolso requerido é uma obrigação legal. Afirmou ainda que o réu tinha pleno conhecimento dos termos da Lei 6.880/80 e que é justo que o beneficiário do curso dê à nação o retorno do investimento feito, trabalhando pelo Estado por um tempo mínimo, conforme determina o Estatuto dos Militares.
O relator do processo na 4.ª Turma, juiz federal convocado Rodrigo Navarro de Oliveira, explicou que a obrigação de indenizar não ofende a Constituição Federal e a garantia do ensino público gratuito. “A indenização ora requerida não conflita com o disposto no art. 206, VI, da CF/88, mormente porque ao ingressar no curso o aluno aceita e adere espontaneamente às condições legais impostas, dentre elas a de indenizar os cofres públicos na hipótese de desligamento precoce da instituição”, afirmou o relator, citando decisão anterior da 3.ª Turma do TRF1, relatada pela juíza federal Adverci Rates Mendes de Abreu.
O magistrado entendeu que a União tem razão ao dizer que não é possível fazer o abatimento parcial das despesas de alimentação, soldos e acomodações. No entanto, considerou que deve ser abatido e assegurado ao réu o critério da proporcionalidade na liquidação de sentença em relação ao período em que faltou para completar os cinco de exercício previstos em lei. “No cálculo da indenização deve ser assegurada a proporcionalidade, considerando-se o tempo de serviço já cumprido à época da demissão, ou seja, deve ser apurada a fração correspondente ao tempo de três anos e seis meses, do total de cinco anos, pois o pedido de demissão deu-se um ano e seis meses após a conclusão do curso. Assim, o réu deve reembolsar 70% dos gastos efetuados com o curso superior”, decidiu o juiz federal Rodrigo Navarro de Oliveira.
O voto do relator foi acompanhado à unanimidade pelo colegiado da Turma.
Processo n.º 2000.38.00.040332-0/MG

Data do julgamento: 29/01/2013
Data da publicação: 05/02/2013
TS  Assessoria de Comunicação Social  
Tribunal Regional Federal da 1.ª Região  TRF

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Base Aérea de Manaus é invadida por homens 'fardados' que levam fuzil de militar



Os homens que estariam supostamente vestidos com a farda da Aeronáutica abordaram o soldado que fazia a guarnição da Base e roubaram um fuzil depois de desferir uma coronhada na cabeça do militar

BRUNA SOUZA
A Base Aérea de Manaus localizada na avenida Rodrigo Otávio, bairro Crespo, na Zona Sul da cidade, foi invadida por dois homens na noite desta terça-feira (19).
Entrada da Base Aérea de Manaus (Winnetou Almeida)
A Base Aérea de Manaus localizada na avenida Rodrigo Otávio, bairro Crespo, na Zona Sul da cidade, foi invadida por dois homens na noite dessa terça-feira (19), por volta das 23h20. Os suspeitos estavam armados, rostos encobertos e supostamente vestidos com o fardamento da Aeronáutica. Depois de surpreenderam um soldado, que fazia a guarnição da área, eles levaram um fuzil.
As informações são da assessoria de imprensa da Polícia Militar. Segundo o relatório de ocorrência, o soldado identificado como ‘Djerlison’ estava fazendo a guarnição da base quando foi surpreendido por dois homens armados que saíram da mata que cerca o local, fardados e com os rostos encobertos. Os homens exigiram a entrega do fuzil que estava com o militar que ainda levou uma coronhada na cabeça.
Policiais militares da 7ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) fazem o patrulhamento pelas ruas próximas, mas até o momento, os acusados não foram presos. O Centro de Comunicação da Aeronáutica, em Brasília, confirmou a invasão à Base Aérea de Manaus. Ainda segundo o Centro, um inquérito policial militar será aberto para apurar as informações sobre o caso.
a crítica/montedo.com

Parece ser o fim da bagunça!!!



A Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) está pronta para votar uma série de restrições ao uso de aeronaves oficiais por agentes públicos. Quem desrespeitá-las poderá sofrer punições administrativas, civis e penais, além de ser obrigado a ressarcir os cofres públicos.

A compensação financeira já constava do texto original do projeto PLS 138/10, de Pedro Simon (PMDB-RS), mas recebeu ajustes na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA).

A sugestão de atualizar as despesas irregulares levando em conta a aeronave e o trajeto partiu do relator, Pedro Taques (PDT-​MT).

A aprovação do PLS 138/10 foi recomendada pelo relator na CRE, Anibal Diniz (PT-AC), que encampou essa e outra emenda de Taques aprovada pela CMA. A segunda mudança exige que o órgão interessado em usar a aeronave informe a finalidade da viagem, a lista de passageiros, a carga transportada e o percurso.

Como a utilização de aeronaves oficiais deverá se restringir a missões oficiais e atividades do serviço público, qualquer suspeita de irregularidade motivará a abertura de sindicância. A instauração do processo disciplinar ocorrerá caso a denúncia seja comprovada.

O governo federal terá de prestar contas dessa movimentação a cada trimestre, disponibilizando na internet o relatório dos voos oficiais realizados. A documentação deverá ser encaminhada ao Tribunal de Contas da União.

Flexibilização
O PLS 138/10 define o rol de autoridades admitidas nas missões oficiais em aeronaves da União. Além do presidente e do vice-presidente da República, poderão utilizá-las apenas os presidentes do Senado, da Câmara dos Deputados e do Supremo Tribunal ­Federal, os ministros de Estado (e os ­agentes públicos com prerrogativas de ministro) e os comandantes das Forças Armadas.

Entretanto, a regra poderá ser flexibilizada pelo ministro da Defesa, autorizado a liberar o transporte de outras autoridades nacionais e estrangeiras. Um regulamento ­específico estabelecerá critérios para estender a autorização a acompanhante da autoridade, desde que seja seu cônjuge, dependente ou pessoa por ela indicada em viagem a serviço e atividades públicas.

Depois da CRE, a proposta será votada, em decisão terminativa, pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

STM mantém condenação de sargento que furtou cartão bancário para comprar sapatos




O Superior Tribunal Militar (STM) manteve a condenação de uma sargento da Aeronáutica a quase dez meses de detenção pelo crime de estelionato. Ela furtou o cartão de crédito de uma colega de farda e efetuou saques, transferências e uma compra em uma loja de sapatos.
De acordo com a denúncia do Ministério Público Militar (MPM), em março de 2011, a terceiro-sargento L.M.B subtraiu o cartão de banco de uma outra sargento no 6º Comando Aéreo Regional (6º COMAR), em Brasília. As duas militares eram colegas desde a Escola Especialista da Aeronáutica, onde se formaram em 2010. A ré decorou a senha do cartão da amiga após ouvi-la numa conversar entre a ofendida e a mãe dela. A acusada comprou dois pares de sapatos numa loja da capital federal, fez duas transferências e sacou dinheiro, o que totalizou um prejuízo de R$ 2.628.
O 6º COMAR abriu Inquérito Policial Militar (IPM) para apurar os fatos. Após as investigações, a acusada confessou a autoria dos delitos e restituiu integralmente os valores à colega. O MPM ofereceu denúncia contra a sargento por ter incidido quatro vezes no artigo 251 do Código Penal Militar - estelionato. No julgamento na 1ª Auditoria de Brasília, ela foi condenada à pena de nove meses e dez dias de detenção, com o benefício do "sursis" (suspensão condicional da pena) pelo prazo de dois anos.
A defesa entrou com recurso de apelação junto ao STM e pediu aos ministros a desclassificação do crime de estelionato para furto simples e a absolvição da ré, alegando que a acusada havia devolvidos os valores subtraídos, o que ensejaria apenas no cometimento de uma infração disciplinar. O ministro Artur Vidigal negou provimento ao recurso. Segundo o magistrado, os fatos não descaracterizam o crime de estelionato, pois ao se passar pela proprietária do cartão de crédito na loja de calçados, a acusado ludibriou as atendentes da empresa. "Mesmo devolvendo os valores antes da instauração da ação penal, o crime de estelionato já havia se consumado, não havendo como caracterizar o arrependimento eficaz", afirmou. O voto foi seguido por unanimidade pelos demais ministros.

Exército apura se falha em pedreira facilitou roubo de 500 kg de dinamite no interior de SP

Exército apura se falha em pedreira facilitou roubo de 500kg de dinamite
Grupo aproveitou muro caído para invadir a empresa em Ribeirão, diz PM.
Pedreira diz que segue todas as normas exigidas pelo Ministério da Defesa.

Grupo com sete homens chegou à pedreira por estrada municipal (Foto: Reprodução/EPTV)

O Exército afirmou nesta quinta-feira (14) que vai apurar se falhas por parte da Inderp, pedreira de onde foram levados 500 quilos de dinamite em Ribeirão Preto (SP), facilitaram a ação da quadrilha. Segundo a Polícia Militar, o estabelecimento foi invadido nesta madrugada por sete homens fortemente armados e encapuzados, que renderam quatro funcionários e os obrigaram a carregar os explosivos. O grupo teria aproveitado a queda de um muro - causada por uma chuva na noite anterior – para entrar na empresa.
De acordo com o coronel Nilton Soares Filho, caso fiquem constatadas irregularidades, a empresa poderá ser multada, ter o certificado deregistro cassado e até ser fechada. “Este roubo é muito grave. Nós temos agora uma grande quantidade de explosivos em poder de bandidos. Isso é muito preocupante.”
Em nota, a Inderp afirmou que todas as cautelas necessárias para posse e uso de explosivos são adotadas e que a empresa atende às determinações do Ministério da Defesa e do Comando do Exército Brasileiro, responsável pela normatização. Entretanto, a empresa não comentou o fato do muro que teria desabado.

Soldado da FAB preso no RJ usava carro da mãe para assaltar


Soldado da Aeronáutica usou carro da mãe para roubar alunos da UFRJ
Segundo a polícia, ele estava em processo de admissão na Polícia Militar

Carro usado no crime foi reconhecido pelas vítimasAlessandro Costa/Agência O Dia

Um dos três presos por suspeita de assaltar um grupo de estudantes em um ponto de ônibus, na Cidade Universitária, Ilha do Fundão, na zona norte do Rio, no último dia 1º, é soldado da Aeronáutica. O militar William Vieira Arantes, de 23 anos, usou o carro da mãe, um Corsa prata, que está em situação regular, para praticar o crime.
Segundo a Polícia Civil, William pretendia entrar para a PM, já que passava por processo de admissão na corporação. Além dele, foram presos John Lennon da Silva Coelho, de 20 anos, e Carlos Henrique da Silva Fravolini, de 24. Vizinhos, eles foram capturados nas ruas Itambé e Tambaú, em Ramos.

O suspeito identificado como Sandro Cardoso da Silva, de 18 anos, está foragido. A polícia chegou até o grupo porque duas vítimas, estudantes da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) anotaram a placa do carro usado no crime. Eles foram levados para a Delegacia de Piedade (24ª DP).
Segundo os agentes, eles foram reconhecidos por oito vítimas. Durante o Carnaval, a polícia pediu a prisão preventiva dos suspeitos e o plantão judiciário expediu os mandados.
Por ser militar, William foi transferido para a Base Aérea do Galeão.

R7/montedo.com

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Roubalheira até no quartel, general?


Queridos generais, não envergonhem ainda mais nossos militares da reserva e da ativa!!!


NO GOVERNO -- A presidente Dilma Rousseff determinou ao general Enzo Peri, que apurasse com rigor e celeridade as denúncias de corrupção na Força
NO GOVERNO -- A presidente Dilma Rousseff determinou ao general Enzo Peri, comandante do Exército, que apurasse com rigor e celeridade as denúncias de corrupção na Força (Foto: Pedro Ladeira / AFP)
ATÉ NO QUARTEL, GENERAL?
O Exército investiga denúncia de corrupção envolvendo oficiais que estariam exigindo suborno de empresários interessados em vender equipamentos

Em junho do ano passado, a presidente Dilma Rousseff lançou um programa bilionário com o objetivo de modernizar o aparelho estatal e, de quebra, estimular a economia, que já caminhava a passos lentos àquela altura.
Batizado de PAC Equipamentos, esse pacote previa a liberação de 8,4 bilhões de reais para a compra de materiais e maquinário pelos ministérios — incluindo a pasta da Defesa e as Forças Armadas, a ela vinculadas, sempre queixosas de um quadro de sucateamento a que estariam submetidas.
Ao contrário do que ocorre em outras modalidades do PAC, o novo projeto saiu do papel. Só o Exército gastou 1,8 bilhão de reais em caminhões, veículos blindados e até lançadores de mísseis. Mas, como é, infelizmente, praxe nas empreitadas civis, a corrupção parece ter encontrado uma brecha na esfera militar.
Oficiais do Exército estão sendo investigados por terem sido acusados de achacar empresários que venceram licitações para fornecer equipamento à força terrestre. Eles teriam exigido propina em troca da assinatura dos contratos.
Reproduziram, assim, um modelo de desvio de verba pública que foi consagrado recentemente nos ministérios dos Transportes e do Trabalho.
General Enzo Peri, comandante do Exército, foi intimado a tomar providências, pela presidente (Foto: Gustavo Miranda)
General Enzo Peri, comandante do Exército: Dilma quer providências (Foto: Gustavo Miranda)
Resta saber se, como os ministros demitidos daquelas duas pastas, os oficiais corruptos serão responsabilizados. A presidente Dilma Rousseff já determinou a abertura de uma sindicância para apurar o caso, que está sendo investigado sigilosamente pelo alto comando do Exército.
O PAC Equipamentos entrou na mira dos corruptos tão logo anunciado. Em novembro do ano passado, a empresária Iracele Mascarello, dona do Grupo Mascarello, fabricante de ônibus do Paraná, procurou o senador Roberto Requião (PMDB-PR) e lhe contou que tinha vencido uma licitação para vender 65 ônibus, por 17,8 milhões de reais, ao Batalhão da Guarda Presidencial (BGP), o grupamento que cuida da segurança pessoal do presidente da República.
Duas reuniões com os achacadores
Iracele disse ao senador que, às vésperas da assinatura do contrato, oficiais do Exército exigiram propina para formalizá-lo. Caso contrário, nada feito. É a velha máxima de criar dificuldade para vender facilidade.
A proposta foi feita ao representante da empresa em Brasília, Ivan Paiva, que se reuniu com os achacadores, duas vezes, em restaurantes da capital. “Prefiro não assinar esse contrato”, disse Iracele ao ser consultada pelo subordinado.
Depois, relatou a história a Requião. “Senador, entramos numa concorrência da Guarda Presidencial para vender ônibus, ganhamos a concorrência, mas um oficial falou que só nos classifica se pagarmos comissão, propina.”
Requião, que, quando era governador, assinou contratos com a Mascarello e, portanto, conhecia a empresária, levou o caso adiante. O senador contatou o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, que é filho de general e irmão de coronel, e narrou-lhe a tentativa de achaque perpetrada por oficiais contra a empresa paranaense.
Forte Apache Esse é o apelido do Q.G. do Exército em Brasília: uma sindicância apura se os selvagens da corrupção conseguiram furar as defesas e estão operando ali dentro. Seria um choque para a instituição mais admirada e respeitada do Brasil
FORTE APACHE -- Esse é o apelido do QG do Exército em Brasília: uma sindicância apura se as garras da corrupção conseguiram furar as defesas e estão operando ali dentro. Seria um choque para a instituição mais admirada e respeitada do Brasil (Foto: Cristiano Mariz)
O ministro repassou a denúncia ao comandante do Exército, general Enzo Peri, e à presidente da República. Dilma — que já demitiu sete ministros acusados de corrupção e tráfico de influência — determinou a abertura imediata de uma sindicância: “Eu vou dar doze horas para o Comando do Exército resolver isso”. Depois da intervenção presidencial, a denúncia começou a ser apurada, e o contrato do Exército com a Mascarello foi assinado.
“A citada sindicância se encontra em curso e, até o presente momento, não há como comprovar a ocorrência de propina no referido processo”, diz o comando do Exército em nota. “Registre-se que o processo licitatório já foi concluído, e a empresa representada pelo denunciante contemplada na forma do que está previsto nas normas vigentes.”
De início, o governo aventou a possibilidade de a denúncia ser falsa, um instrumento de pressão para acelerar a assinatura do contrato, ou, na pior das hipóteses, um caso isolado. Antes fosse.
Os oficiais corruptos atuavam de forma ostensiva e tentaram extorquir outras empresas. Caso de um empresário de Brasília. Durante um leilão para a compra de caminhões, em outubro do ano passado, esse empresário foi procurado por oficiais do Exército para pagar 5% de comissão. Como não aceitou, disse ter sido desclassificado do pregão, em que um dos itens era a compra de 125 caminhões-guincho, negócio estimado em 60 milhões de reais.
“Quem não paga propina, não leva”
Com medo, o empresário afirma que não denunciou nem denunciará os integrantes do esquema de corrupção. Ele conta que tem outros negócios com o governo e teme ser prejudicado: “Quem não paga propina não leva. Os militares arrumam uma forma de desclassificar a empresa”.
A exclusão por esse tipo de critério, como se sabe, encarece a negociação, já que o preço dos equipamentos acaba incluindo o “custo-propina” — que, no fim das contas, sai do bolso do contribuinte. Exemplo: um caminhão-guincho que custou ao Exército 485 000 reais poderia ser comprado por 443 000 reais se a compra tivesse seguido os trâmites corretos.
Uma diferença modesta, na casa do milhar, mas que, quando multiplicada pela quantidade de unidades compradas, transforma-se em milhões de reais. Se aplicada ao total gasto pelo Exército no âmbito do PAC Equipamentos, a propina de 5% renderia 90 milhões de reais aos achacadores de farda.
A investigação vai esclarecer se os militares estrelados agiam sozinhos ou se tinham cobertura dos superiores. Cada pregão é acompanhado por três militares, que se reportam aos chefes sobre o andamento das compras. “Algumas pessoas no comando do Exército estavam distorcendo a situação. A gente louva a presidente Dilma, que está fortalecendo a empresa nacional. Não tendo esse tipo de coisa, fortalece todo mundo”, disse Antonino Duzanowski, diretor da Mascarello.
“Um oficial disse que só nos classificariam se pagássemos comissão, propina.” Iracele Mascarello, dona da Mascarello
“Um oficial disse que só nos classificariam se pagássemos comissão, propina.” Iracele Mascarello, dona da Mascarello (Foto: Mauro Frasson)
Desde o governo Lula, o Exército tem um papel importante no PAC. O ex-presidente convocava unidades de engenharia militar para executar obras rodoviárias quando as empreiteiras atrasavam os projetos — seja por disputas entre elas, seja para pressionar a União a pagar mais pelo serviço.
Em repetidas pesquisas de opinião, o Exército aparece como a instituição mais admirada e respeitada do Brasil. Não se pode permitir que a ação de alguns oficiais gananciosos atinja a imagem do Exército. No ano passado, a Força gastou 2,6 bilhões de reais, dos quais 1,8 bilhão do PAC Equipamentos e 800 milhões de repasses adicionais do Ministério do Planejamento.
A assinatura do contrato de compra de 86 viaturas blindadas Guarani por 240 milhões de reais, em agosto, contou com a presença do ministro da Defesa, Celso Amorim, e do comandante Enzo Peri. Para provar que a corrupção ainda não conseguiu penetrar as defesas morais do Exército, o alto-comando já começou a passar um pente-fino nas mais de 200 licitações feitas nos últimos meses pelos militares.

http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/politica-cia/roubalheira-ate-no-quartel-general/

Dilma, à bombordo!!!!


Descansando na Bahia, Dilma passeia em barco da Marinha

Dilma aparece e passeia de barco no último dia de Carnaval em Salvador


APU GOMES
ENVIADO ESPECIAL A SALVADOR
NELSON BARROS NETO
DE SALVADOR

Dilma Rousseff chega a Base Naval de Aratu, em Salvador (BA), acompanhada da filha Paula e de familiares
(Apu Gomes/Folhapress)

Em recesso na Base Naval de Aratu, em Salvador, a presidente Dilma Rousseff apareceu pela primeira vez desde que chegou à praia de Inema, na sexta-feira (8).
Com a filha Paula e o neto Gabriel, 2, ela aproveitou a manhã ensolarada desta terça-feira (12) para passear de barco pela baía de Todos os Santos.
A presidente saiu antes das 7h30 (locais, sem horário de verão) e retornou às 10h45, a bordo da lancha Amazônia Azul, da Marinha.
Dilma estava com um chapéu de praia e uma roupa leve branca. Ficou sentada na popa, a parte traseira da embarcação.
Ed. de arte/Folhapress

Ela não passou pela praia. A lanche ancorou no cais da base naval, e a presidente entrou em um dos quatro carros de sua comitiva.
Dilma voltará a Brasília nesta Quarta-Feira de Cinzas. O único compromisso oficial do dia está marcado para as 15h --uma reunião com o ministro da Educação, Aloizio Mercadante.
Antes, está previsto um café da manhã com o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT). No domingo (10), no circuito Osmar do Carnaval de Salvador, Wagner disse, sobre a agenda com Dilma: "Não tem como um governador e uma presidenta se encontrar sem falar de política".
Ele ainda negou que a ausência de Dilma na folia, diferentemente do que fez em 2010 (ano eleitoral), seria algum desprestígio para ele.
"Ao contrário. Eu vejo a Bahia prestigiada. Ela já havia vindo para Inema no Ano-Novo e voltou para descansar. Na realidade, nunca houve essa ideia que se cogitou [de Dilma ir ao camarote do governo], até porque ainda está muito recente o episódio de Santa Maria [incêndio na boate Kiss, que matou 239 pessoas]", afirmou.
No ano passado, quando também esteve em Inema durante o Carnaval, Dilma divulgou uma mensagem para a população baiana.
"Neste Carnaval, escolhi a Bahia para descansar. Quero aproveitar a ocasião para saudar o povo baiano, que faz um dos mais belos e alegres carnavais do mundo", disse.
"A hospitalidade e a animação contagiante são marcas da Bahia. Desejo a todos que os próximos dias sejam de muita paz, alegria e muito axé. Feliz Carnaval!", afirmou a presidente, na ocasião.
G1

Militar da FAB é preso acusado de estupro em SP


Militar é acusado de estuprar menina de 13 anos de idade
Guará: Ele foi preso em flagrante na madrugada desta terça-feira


Guaratinguetá (SP) - Um militar de 21 anos teve relações sexuais com uma menina de 13 anos, na madrugada desta terça-feira (12). De acordo com a Polícia Militar, o acusado alegou desconhecimento sobre a idade da menor.
O ato, considerado estupro pela legislação, foi cometido na intermediações da Avenida Presidente Vargas, em Guaratinguetá, onde era realizado o carnaval de rua. O jovem militar foi encaminhado para a Aeronáutica, onde permanece preso aguardando as devidas providências.
SJC Diário

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Por um salario digno!!!!


Primeira Aviadora da FAB pede as contas e vai para a CGU



Imagen: FAB

A mulher que inscreveu seu nome na história da aviação no Brasil como a primeira aviadora da FAB, a Primeiro Tenente Fabrícia Liane Souza Aguiar Oliveira foi licenciada da Aeronáutica no último dia 29 de janeiro.
Primeira colocada da primeira turma de Cadetes Aviadores da Academia da Força Aérea (AFA) que recebeu mulheres, no ano de 2003, Fabrícia, que servia no 1º Esquadrão do 6º Grupo de Aviação (1º/6º GAV), em Recife, foi aprovada no último concurso para auditora da Controladoria Geral da União.
Em junho de 2010, ela foi homenageada pela Assembleia Legislativa do RJ e agradeceu com as seguintes palavras:

“Recomendo a carreira de aviadora para as mulheres que, além do sonho de pilotar aviões, tenham um amor profundo pelo Brasil. Sem um desses requisitos, acho que não é possível”.

Paraquedista do Exército é preso, suspeito de praticar roubos na Baixada Fluminense

Paraquedista do Exército é preso, suspeito de praticar roubos na Baixada Fluminense

Militar do Batalhão de Infantaria é preso por suspeita de praticar roubos na baixada
Dentro do carro do suspeito foi encontrada uma réplica de fuzil


Um militar do 27º Batalhão de Infantaria Paraquedista foi preso nesta sexta-feira (1º) suspeito de praticar roubos em São João de Meriti, na Baixada Fluminense.
De acordo com a Polícia Civil, dentro do carro de Alan Luiz Bento Lopes foi encontrada uma réplica de um fuzil russo, modelo AK-47.
Lopes também é suspeito de praticar roubos nas regiões de Mesquita e Nova Iguaçu.
R7/montedo.com

Manaus: cabo do Exército desacata policiais militares e acaba preso




Cabo do Exército é preso por desacato a policiais militares, em Manaus
Prisão aconteceu após uma colisão de veículos na Zona Sul de Manaus.
Segundo PM, militar do Exército ofendeu dona de veículo e policiais.


Ana Graziela Maia
Um cabo do Exército de 25 anos foi preso após desacatar policiais militares da 22º Companhia Interativa Comunitária (Cicom), durante uma colisão de veículos na madrugada deste domingo (3). O acidente aconteceu no cruzamento da Avenida Constantino Nery com Avenida são Jorge, Zona Sul de Manaus, e envolveu o veículo do militar e de uma senhora.
Segundo informações da Polícia Militar, uma idosa, em um veículo Siena vermelho, parou no semáforo do cruzamento, quando o cabo colidiu na traseira do carro dela. Ela saiu do veículo para verificar o dano, quando o suspeito se aproximou, gritando e a xingando. A senhora ligou para os policiais, mesmo sob as alegações do soldado de que nada aconteceria com ele, pois, segundo o militar, não poderia ser preso.
Os policiais foram até o local informado e, quando, se aproximarem, o militar os ofendeu com gritos. Diante disso, ele foi preso e encaminhado para o 10º Distrito Integrado de Polícia (DIP). Segundo a PM, o militar foi conduzido para o Batalhão de Polícia do Exército para procedimentos administrativos.
G1 AM/montedo.com

Coronel é humilhado publicamente por Dilma, diz jornalista


Nem seguranças aguentam o humor de Dilma
Conhecida por seus acessos de fúria, a presidenta Dilma não deixa apenas os ministros à beira de um ataque de nervos. Segundo fontes palacianas, o Gabinete de Segurança Institucional tem dificuldades de encontrar oficiais do Exército que aceitem chefiar o serviço de segurança presidencial. Entre os mais estressados estaria o coronel Artur José Solon Neto, que por breve período cobriu as férias do titular.


Queria
O coronel Neto, hoje secretário-adjunto do Gabinete de Segurança Institucional, queria sair do cargo burocrático e ir mais a campo.


Humilhação pública
Habituada ao perfil discreto do general Amaro, seu chefe de segurança, Dilma não poupou puxões de orelha públicos em quem o substituía.


Chutando o balde
Em junho de 2011, a capitã de fragata E.H., oficial brilhante, cansou dos esculachos presidenciais e foi embora. Quase deixou a Marinha.


Inclua-me fora dessa
O Palacio Planalto também demorou a encontrar quem aceitasse substituir a capitã E.H. como ajudante de ordens.
Cláudio Humberto/montedo.com

Tragédia em Santa Maria: a exemplar atuação das Forças Armadas. Ou: Ministro da Defesa para quê?


Ação militar, como se houvesse um grande atentado



Roberto Godoy
Houve um atentado em Santa Maria e a reação da Defesa foi rápida, ampla e voltada para o socorro às vítimas. Helicópteros preparados para o transporte de feridos, times especializados e veículos rápidos estavam prontos para a ação bem depressa, já na madrugada de domingo.
Os primeiros grupos de soldados da 3.ª Divisão de Exército chegaram à boate Kiss quando o prédio ainda estava fumegante. Poderia ter sido também um cenário de batalha em área urbana.
O resgate, o atendimento e a remoção dos feridos estão seguindo procedimentos militares, próprios de crises. Os resultados foram bons. A intervenção dos médicos - 64 deles só da Aeronáutica - especialistas no atendimento a queimados, traumatologistas e intensivistas, com suporte de seus times de enfermagem, fez a diferença entre a possibilidade de vida e a morte imediata para os 75 sobreviventes que ontem ainda corriam sério risco, internados em UTIs. A ponte aérea entre Santa Maria e Porto Alegre - os Blackhawks desciam no Parque Farroupilha, ao lado de dois grandes hospitais da capital - foi combinada com voos mais longos, porém imediatos.
Uma frota de aviões, cujas tripulações, na primeira fase da crise, foram mantidas em regime de alerta, permaneceu pronta para decolar a qualquer momento. O esquema acionou recursos médicos na retaguarda, e integrou equipes dos Ministérios da Saúde e Integração Social. Uma espécie de centro C3 (Comando, Controle, Comunicações) coordena a operação com 1.300 militares.
O coronel aviador Jefson Borges, coordenador das operações aéreas em Santa Maria (RS), em entrevista à Força Aérea FM, afirmou nesta terça-feira (29) que a aeronave Amazonas 65, transformada em UTI para atendimento das vítimas do incêndio que matou 231 pessoas no último dia 27, é a maior UTI aérea já montada no Brasil. Segundo Borges, a aeronave possui sete leitos e que para cada um dos pacientes foi mobilizado um médico e dois enfermeiros. “Ao todo temos 21 profissionais de saúde trabalhando simultaneamente na recuperação dos feridos
A Força Aérea Brasileira divulgou mais ações de auxílio às vítimas do incêndio ocorrido em Santa Maria (RS). Ontem (28) um avião C-130 Hércules da Força Aérea Brasileira decolou da Base Aérea do Galeão, no Rio de Janeiro (RJ), com equipamentos necessários para aumentar o número de leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital Conceição, em Porto Alegre (RS).
A carga é de 15 monitores de sinais vitais, 10 respiradores e 10 sistemas duplos com monitor e respirador. Estes equipamentos foram emprestados pela rede pública municipal e estadual do Rio de Janeiro após coordenação do Ministério da Saúde .
No final da tarde desta segunda-feira (28) o Exército Brasileiro informou ter mobilizado 377 militares para a cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, local do incêndio que vitimou 231 pessoas na madrugada de domingo (27). Mais cedo, o Comando da Aeronáutica informou por meio de nota que cerca de mil militares da Força Aérea Brasileira (FAB) participam da missão, sendo 64 médicos e enfermeiros, além de 4 psicólogos.
Estadão (Cenário)/montedo.com na integra


Comento:
Recordam que Celso Amorim divulgou nota na segunda-feira (28), mais de 30 horas depois da tragédia, 'colocando as Forças Armadas à disposição'? Na ocasião, comentei aqui:
As Forças Armadas - as notícias postadas no blog atestam - estão atuando desde o primeiro momento para amenizar a dor e o sofrimento das vítimas e familiares em Santa Maria, dentro daquilo que está ao seu alcance. Essa manifestação de Amorim é extemporânea e desnecessária.
Aliás, convém lembrar que, enquanto o primeiro escalão do governo, Dilma à frente, se fez presente no local da tragédia - atitude totalmente correta e elogiável - Amorim imitou Lula e permaneceu à distância, enquanto seus comandados davam um show de profissionalismo.
Pensando bem, Ministro da Defesa para quê?

I made this widget at MyFlashFetish.com.

Ultimas Postagens

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...