Minha foto
O SENTINELA - Nos adicione em https://www.facebook.com/sentinela.brasil

Seguidores

O projeto Excelências traz informações sobre todos os parlamentares em exercício nas Casas legislativas das esferas federal e estadual, e mais os membros das Câmaras Municipais das capitais brasileiras, num total de 2368 políticos. Os dados são extraídos de fontes públicas (as próprias Casas legislativas, o Tribunal Superior Eleitoral, tribunais estaduais e superiores, tribunais de contas e outras) e de outros projetos mantidos pela Transparência Brasil, como o (financiamento eleitoral) e o (noticiário sobre corrupção).

O projeto disponibiliza espaço para que os políticos retratados apresentem argumentos ou justificativas referentes a informações divulgados no projeto, como noticiário que os envolva, ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas, informações patrimoniais e outras. Para providenciar o registro de algum eventual comentário, solicita-se que o político entre em contacto com a Transparência Brasil.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Brasil promete apoio a força de paz na Síria


Segundo Patriota, ONU estuda possibilidade de enviar tropa ao território sírio e o governo brasileiro estaria disposto a participar da iniciativa

LISANDRA PARAGUASSU

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, afirmou ontem que as Nações Unidas já estudam a possibilidade de enviar tropas de paz para a Síria e o Brasil estaria disposto a participar do esforço. Em entrevista no início da tarde de ontem, ao sair de um encontro com o chanceler de Angola, George Chikoti, Patriota explicou que o envio de tropas - os chamados capacetes-azuis da ONU - está sendo analisado pelo Departamento de Ações de Paz da organização.
"Sei que o Departamento de Operações de Paz das Nações Unidas, conhecido como DPKO, já está examinando hipóteses de deslocamento de tropas da ONU para região", disse o ministro. "O Brasil já contribuiu no passado e estaria disposto a considerar a possibilidade de participar de uma futura missão de paz", acrescentou.



O envio de tropas, mesmo para missões de paz e policiamento, precisa ser antes autorizado pelo Conselho de Segurança da ONU, órgão do qual o Brasil não faz parte, mas onde ainda tem influência, especialmente na relação com Índia e África do Sul e, agora, a Argentina, eleita recentemente para uma das vagas rotativas do órgão. Apesar do consenso internacional sobre a necessidade de conter o conflito na Síria, as ações contra o país no Conselho de Segurança da ONU têm esbarrado na resistência de China e Rússia, que vêm consistentemente vetando decisões mais duras, que possam resultar em ação militar, e mesmo condenações com textos mais fortes.
Apesar de o Brasil ser contra intervenções militares, mesmo restritas a ações como o bloqueio do espaço aéreo da forma que foi feito na Líbia, o chanceler avaliou que o Conselho de Segurança precisa dar condições ao enviado especial da ONU à Síria, Lakhdar Brahimi, de fazer um trabalho que leve ao cessar-fogo e à transição política no país, "com a possível participação de observadores e de uma missão de paz das Nações Unidas".
Patriota demonstrou preocupação com os acontecimentos recentes nas Colinas de Golan e na fronteira entre Síria e Turquia. No primeiro caso, Israel fez disparos de advertência contra a Síria depois que um projétil de morteiro foi lançado na direção das colinas e caiu perto de um posto do Exército israelense.
Na fronteira com a Turquia, diversos episódios têm aumentado a tensão entre os dois países e o governo turco aumentou a presença de tropas na fronteira. "Há a perspectiva de que o conflito comece a afetar os países vizinhos, e isso nos preocupa muito", disse o ministro. Ele cobrou o endosso da comunidade internacional ao chamado Comunicado de Genebra, feito em junho, que propõe impulsionar a formação de um governo transitório que inclua figuras do regime e da oposição, a fim de iniciar uma transição que acabe com o conflito sírio.
Patriota informou, ainda, que tem falado constantemente com Paulo Sérgio Pinheiro, o chefe da missão de investigação do Conselho de Direitos Humanos da ONU na Síria, e seu último relatório traz informações sobre abusos graves cometidos pelo governo de Bashar Assad, mas também pelos grupos rebeldes, o que considerou extremamente preocupante.
"É uma situação que continua a representar um desafio porque, embora a comunidade internacional reconheça que não deve haver militarização do conflito, a violência segue desimpedida, com altíssimo número de mortes, com a situação se agravando", afirmou.

Nenhum comentário:


I made this widget at MyFlashFetish.com.

Ultimas Postagens

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...